Faber-Castell since 1761
Introdução Geral
Você está em:
Meio Ambiente - Proteção ambiental urbana – nossa escola tem história

Tema transversal: meio ambiente.
Foco: proteção ambiental urbana – nossa escola tem história!
Objetivo: identificar e pesquisar a história da construção da própria escola, considerando a diversidade biológica (projeto paisagístico de fauna e flora do espaço) e a análise dos elementos artísticos, compreendendo a necessidade de valorizar e preservar o patrimônio escolar.

Apresentação: as áreas de proteção ambiental não se limitam a jardins botânicos, parques nacionais ou a projetos que preservam, recuperam e incrementam fauna e flora. Vão além, incluindo construções públicas ou particulares. Nesta aula, os alunos realizarão pesquisas sobre a história da construção da própria escola, levando em conta elementos naturais – como (1) tipos de árvores plantadas dentro e também no entorno da instituição, (2) projeto paisagístico de embelezamento dos espaços, (3) existência (ou não) de locais apropriados para estudos do meio (um pequeno lago com peixinhos, girinos e plantas aquáticas; horta, estufa, tanque de areia com tartarugas) – e elementos estéticos e artísticos, como a presença e a combinação de cores, linhas, planos e construções especiais, destinadas ao lazer e ao esporte. Complementos decorativos da construção, como esculturas, pinturas, mosaicos, tipos de janela, vidros ou portas, também devem ser considerados, por retratarem o estilo arquitetônico da construção.

Imagem_01

 

Atividades para a aula:

1 – Proponha aos alunos o desafio de resgatar a história da construção da escola como forma de perceberem a evolução na utilização dos materiais que compõem os espaços naturais (jardins, campo de jogos, quadras, pátio do recreio) e os próprios espaços escolares, como salas de aula, biblioteca, laboratório, vestiários, salas administrativas.

2 – Normalmente, as escolas dispõem de acervo fotográfico desde a sua fundação. Oriente a turma a ir até a biblioteca da escola ou da cidade em busca desses registros, que deverão ser encontrados na hemeroteca (setor das bibliotecas onde se encontram coleções de jornais, revistas, periódicos e obras em série).

3 – Divida a classe em dois grandes grupos: um se encarregará de coletar dados visuais, enquanto o outro fará entrevistas com funcionários mais antigos, indagando sobre o processo de evolução arquitetônica do prédio.

4 – Feita a pesquisa na hemeroteca, os alunos desse grupo deverão registrar os elementos naturais, estéticos e artísticos presentes na inauguração da escola e compará-los com a condição atual do prédio e de seu entorno, destacando o que foi preservado e o que não foi. O mesmo vale para o grupo responsável por coletar depoimentos, que poderão ser organizados cronologicamente e comparados com as imagens obtidas.

5 – Como tarefa final, os grupos trocam informações e, sob orientação do professor, definem os elementos naturais e artísticos que deverão compor a construção de duas maquetes da escola: uma representando o visual arquitetônico da escola recém-inaugurada, e outra, o momento atual.

6 – As maquetes deverão ser tridimensionais e, para isso, deverão ser utilizados vários materiais de sucata, transformados em elementos artísticos com a aplicação de colas coloridas, papéis de várias texturas e cores e combinação de tintas, canetinhas, ecolápis e gizes de cera, resultando em efeitos visuais especiais.

7 – Os trabalhos poderão ser apresentados no dia do aniversário de inauguração da escola.

 

Para saber mais:

  • Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler –Nascido em Porto Alegre (RS) em 1896, H. L. Roessler foi um dos precursores da proteção ambiental no Brasil. A fundação que leva seu nome é responsável pelo licenciamento ambiental no Rio Grande do Sul. Vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA), responde pela operação do licenciamento ambiental das atividades de impacto local, aplicação da legislação ambiental, diagnóstico, planejamento de ações, fiscalização, avaliação, monitoramento e divulgação das informações sobre a qualidade ambiental, dentre outras atividades.
  • Vitae Civilis – Desenvolvimento, Meio Ambiente e Paz – Site oficial da Vitae Civilis, organização não governamental (ONG) sem fins lucrativos que tem como objetivo contribuir para a construção de sociedades sustentáveis, que conciliam o desenvolvimento humano em todas as suas dimensões (econômica, cultural, social, etc.) associado à conservação ambiental. Oferece, dentre outras fontes de pesquisa, vídeos que podem ser vistos diretamente no computador, desde que sejam instalados os programas apropriados. Alguns títulos são: “Conexão das águas”, “Agenda 21 local” e “Um banho de Sol para o Brasil”.

 

Iniciativas da Faber-Castell sobre proteção ambiental: