Faber-Castell since 1761
Introdução Geral
Você está em:   Home  |  Professores  |  Trocando ideias  |  A construção da autonomia em sala de aula: o desafio da mudança
A construção da autonomia em sala de aula: o desafio da mudança

A construção da autonomia em sala de aula: o desafio da mudança Aprimoramento profissional e Formação continuada

Autonomia é um conceito encontrado na moral, na política e na filosofia, que representa a capacidade de um indivíduo racional de tomar decisões não forçadas e baseadas em suas informações disponíveis.

Nós professores temos uma importante missão: formar alunos autônomos, com capacidade de usar seu senso crítico para contribuir de modo positivo e construtivo dentro da sociedade em que vivem. Mas para promover essa “educação autônoma” é preciso que o professor também pleiteie e desenvolva sua autonomia em sala de aula.

Será que nós educadores e formadores de consciência estamos construindo sujeitos curiosos e autônomos, ou estamos dando pouca importância para capacidade de refletir, tanto dos alunos quanto a nossa? Pare um pouco e reflita sobre sua atuação pedagógica. Se você conseguiu perceber ações que favorecem a compreensão, a tolerância, a empatia, o incentivo a formação de alunos pensadores, curiosos, questionadores, e ainda que trabalhe com valores formativos da personalidade e de caráter, então você está no caminho certo para a educação autônoma.

Agora pense em você como educador e suas possibilidades dentro da Escola na qual trabalha. Você consegue atuar caminhando junto com o educando, mediando as situações, adaptando suas propostas de acordo com as novas demandas, tendo os espaços e o tempo que julga disponibilizar para tal desenvolvimento em aula? É a partir da educação que formaremos sujeitos críticos, libertos, autônomos e capazes de formarem sujeitos mais humanos, capazes de acolher o diferente, pois é na diferença que a autonomia acontece.

Sabemos que a criança adquire o conhecimento ao construí-lo a partir de seu interior, ao invés de internalizá-lo diretamente de meio ambiente. O professor em sala de aula deve estabelecer um vínculo de mediador e assim, pouco a pouco, despertar a autonomia em seus educandos.

É importante desenvolvermos nos alunos tanto a autonomia moral, que refere-se a capacidade de discernimento entre bem e mal, certo e errado, quanto a autonomia intelectual, que desenvolve a capacidade do indivíduo de ter sua própria maneira de pensar, que não necessariamente será igual ao que ensinam a ele.

Diante dos desafios do dia a dia na Escola e em sala de aula, nem sempre é fácil ou possível manter uma atitude crítica. Porém, quando temos essa clareza em relação a que tipos de pessoas queremos formar e que tipo de sociedade almejamos construir, ter uma postura mais crítica e trabalhar pela educação autônoma torna-se menos difícil.
E como perceber se minhas ações estão contribuindo para a construção da autonomia de meus alunos?

A autonomia se dá quando a criança é capaz de interagir, estabelecer relações cooperativas, falar, expressar e sair do seu egocentrismo, desenvolvendo sua capacidade de estabelecer relações e chegar a conclusões a partir de seus conhecimentos prévios e das relações feitas a partir das novas informações e interações.

E retomando texto anterior, quando falamos sobre criatividade, é importante relembrar a estreita relação do tempo e espaço com o ensino e a aprendizagem. O tempo deve ser considerado além do seu conceito de determinação de períodos. É importante gerenciar e conciliar o tempo de aprendizagem dos alunos respeitando suas individualidades para que suas interações com as diferentes formas de comunicação e de aproximação com a realidade sejam significativas em suas construções de conhecimentos.

A relação que o adulto estabelece com as crianças podem ajudá-las a se tornarem moralmente e intelectualmente mais ativas e autônomas. Por isso, a relação estabelecida entre professor e educando deve ser de respeito mútuo. E o respeito mútuo só ocorre quando não existe uma relação de poder que gera a necessidade de uns obedecerem a outro que detém a autonomia sobre os subordinados.

Assim, é fundamental respeitar a liberdade do outro e dar a cada aluno a chance de escolher, encorajando-o a pensar de modo autônomo e ativamente, deixando as curiosidades se manifestarem em sala de aula, sem medo dos questionamentos (que muitos professores acabam considerando como afrontas dos alunos).

Esse é um dos grandes desafios do professor em relação à construção da própria autonomia e da de seus alunos.