Faber-Castell since 1761
Introdução Geral
Você está em:
Férias para os professores

FeriasParaProfessoresEstá chegando o final de ano e também as férias e recesso escolar. Muitos professores aproveitam esse tempo livre para colocar em dia cursos, leituras e muitos afazeres que ficaram pendentes ao longo do ano devido à correria do dia a dia.

O trabalho docente demanda, além do desgaste mental natural das tarefas diárias, um desgaste físico bastante relevante, seja por estar em pé grande parte do dia, o uso excessivo da voz, dentre as outras características exigidas pelo trabalho.

Mas é imprescindível aproveitar as férias para descansar e recarregar as energias mentais e físicas. Por mais que seja gostoso aproveitar as férias para fazer tudo aquilo que não conseguimos no dia a dia, é preciso dedicar algum tempo para o descanso.

São inúmeros os estudos que apontam os perigos que a falta de descanso representa. Os excessos não só prejudicam a produtividade do trabalho como também podem causar graves doenças psíquicas e físicas.

As férias e seu aproveitamento também estão diretamente ligados ao aprendizado e produtividade.

Muitos consideram um privilégio o fato dos professores disporem de férias no fim do ano, além do recesso durante o mês de julho. Porém, quem atua em sala de aula, conduzindo diariamente uma turma de alfabetização, acompanhando as primeiras experiências escolares dos pequenos ou ensinando determinada disciplina para vários jovens sabe bem a necessidade desses tempos para o desenvolvimento de um trabalho produtivo ao logo do ano. Afinal, além do descanso, é comum que os professores acabem dedicando parte do tempo para avaliações e planejamentos.

Além disso, em seu trabalho, o professor lida com um conjunto de situações sociais e individuais, o que torna esse período ainda mais essencial para recompor o preparo intelectual, o equilíbrio emocional e o condicionamento físico antes de retomar o esforço no próximo ano letivo.

Por isso, professor, evite aproveitar as férias para fazer muitos cursos ou somente cuidar de problemas de saúde. Neste caso, de nada adiantarão suas férias.

Para que as férias realmente cumpram seu “papel” é preciso que o professor aproveite para fazer atividades prazerosas. O modo como cada um vai aproveitar seus momentos de descanso varia, por isso, pense naquilo que promove seu descanso físico e mental. Para alguns o melhor é ficar em casa, enquanto outros preferem viajar. Ainda tem aqueles que descansam melhor praticando atividades físicas ou se aventurando. Também existem pessoas que descansam fazendo coisas práticas, como pintar a casa ou cuidar do jardim. O importante é quebrar a rotina, até porque a inércia inibe a criatividade.

Um repouso prolongado para o professor não é privilégio e sim uma necessidade para quem trabalha na Educação Básica.

E essa consciência deve atingir também os educadores, cada um seguindo seus próprios critérios para garantir suas merecidas férias “de corpo e alma”.

É preciso ter tempo para aprender, tempo para ensinar,
tempo para criar e tempo também para descansar!